quarta-feira, 19 de junho de 2013

simples...






simples...

é o olhar herdado do tempo

exausto de silêncios purpurinos

onde a alma ferida se liberta

em sais flutuantes sem destino,

e nas terras eivadas de sal

és foto no meu madrigal

grafia de sentires peregrinos

imagem contrastada,

apaixonada nesse além Tejo,

náufraga no teu beijo fogoso

onde liberto tudo que vejo,

terra arável em naufrágios

de outros tempos religados,

na tua pele - velhos presságios

plantados nas raízes do mar,

velha planície do teu olhar

que rasga o voo das gaivotas

esperadas no interior da terra

de outras águas devotas...

onde se acendem relâmpagos

férteis na erupção da luz

pele de trigo que me seduz...

e sulco crepúsculos lunares

circulares ao regressar

dentro de ti sem pensar

à minha terrra Andaluz...

madrugada entre estrelas,

ancorada na liberdade solar

onde acendemos luas

de encantar...

vem... sem medo

de amar...



© Cristina Fernandes
https://www.facebook.com/OMomentoCertoPoesia
foto: Francisco Navarro

https://www.facebook.com/FrankNavarroFotografia



3 comentários:

heretico disse...

belíssima cachoeira de palavras belas.

inspirado poema.

beijo

Mar Arável disse...


Excelente quando as palavras
se encontram

Fernando Santos (Chana) disse...

Excelente poema....
Cumprimentos