quinta-feira, 8 de outubro de 2009

descalça


descalça, percorro areias como cristais da nossa velha praia, tocando a terra como ouro fino, sem filtros esgotantes, sem máscaras adjectivantes, sem nada que me sirva de pretexto, pois foi assim que perdi a transfiguração de mim, quando te reencontrei.

descalça, abandono todos os destinos que me decretaram, por lei ou costume, sabendo que quem ama perde a noção da prudência, caminho formal que a razão dita, como um ditado que se aprende nos primórdios da insularidade, ilha que o velho oceano sugou...

descalça, intento giestas bravas que o vento Sul reconhece, papoilas da minha contemplação interior, rosas azuis que me ofereceste, como os teus olhos na noite que me tocaste.

descalça, circundo o pinheiro manso que és, Lua e Vénus em conjunção, paixão e Amor na eterna deambulação, casa oito do dilema dessa união, uma oitava acima de nós, como se a liturgia dos poetas servisse de cerca ao coração, à paixão que o esquecimento reequaciona, ao Amor que o tempo nunca abandona.

descalça, decifro a água azul que escorre do teu olhar, as mãos brancas (pois, quem as conhece sabe que são brancas e não cinzentas) que comovem o silêncio inerte de cada corda sonora, como os pés descalços da Duncan…

descalça, inundo as tuas lágrimas contidas como safiras rebuscadas à cinza da noite, pedra mineral que me atiraste no meio da noite, como se a legitimidade entranhasse a legalidade que a veleidade dos homens descreve no sempre repetido texto ignóbil.

descalça, sinto o sentido da Musa invertida que te causei, como "Lilith" que a prata distorceu neste gongorismo que dizes ser meu.

descalça, guardo o teu rosto no meu regaço, como anjo dormente, confidente dum segredo que só nós conhecemos, apesar do alvoroço dos pardais e das penas soltas como biqueiras dum canto por nós ensaiado.

descalça, ilumino a tua sombra, pois aos poucos as luzes apagam-se no silêncio da noite, como reféns na gruta deste Amor.

descalça, celebro a margem que o sal não soube curar, sofismática verdade que o tempo guarda dentro de nós.

descalça, rodopio serenamente dentro de ti, mas ninguém sabe de mim, do cravejar dos pés nus no tempo, como fóssil que só tu reconheces.

descalça, encontro-te… tanto Azul… e és Tu.

40 comentários:

Graça Pereira disse...

Ler-te, é uma delícia para mim.Brincas com as palavras, com o sentimentos e...descalça, teces uma renda de espuma que o mar levará para trazer outra vez
Um beijo
Graça

José Carlos Brandão disse...

descalça.

como quem se entrega.

simplicidade, nudez, sensibilidade.

Gostei de ler-te.

Um beijo.

BEL disse...

Olá lindo este texto, que forma arrebatadora de escrever.
um beijo
bel

Graça disse...

Escreves magnificamente bem. Ler-te é um prazer de início ao fim.

Beijo meu e bom fim de semana

Agulheta disse...

Gostei de ler a simplicidade de palavras,onde se conjuga sentimentos tão belos.
Beijinho bfs
Lisa

Miriam * disse...

Gostei de seu blog...voltarei..bj

Fa menor disse...

É descalços que calcorreamos os lugares amados: para que os nossos passos mal sejam pressentidos; para que não se os fira de impurezas; e para, sem defesas, absorver na pele todo o seu sabor.

Obrigada pela visita ao meu lugar escrevivente.

Bjs

Alegria Joie Joy disse...

Bom dia eterna apaixonada.

Já sabe nem preciso escrever, lindo.

Renata

Pedrasnuas disse...

DESCALÇA?...PÉS NUS,DESPIDOS...
SENTIDA ADOLESCÊNCIA, PUREZA DE UM TEMPO DE ENTREGA...SENSÍBILIDADE,
DOCURA...QUE UM DIA SE TORNOU FÓSSIFL...UM AMOR ANTIGO...

BEIJO

© Piedade Araújo Sol disse...

uma prosa poética de inegavel beleza e talento.

um bom fim de semana!

beij

Whispers disse...

Uma maneira linda de andar descalca...entre a poesia e a realidade
Bom fds
Mil beijos
Rachel

Baby disse...

Encantou-me o teu texto, impregnado de sensibilidade e beleza.

"Descalça vai para a fonte"...e acabamos por ser nós a matar a sede com as tuas palavras.

Beijinhos, linda Chris.

Artur Giovanni disse...

Oi Chris.....obrigado por passar em meu blog....

Hey....amei essa frase.

"Há sempre um momento certo"

Deus te abençoe.
www.arturgiovanni.blogspot.com

Lilá(s) disse...

Que delicia esta versão "descalça"!
que prazer de leitura! que suavidade!
Bjs

Juan José disse...

los pies desnudos en el camino te dicen si el tiempo es bueno o malo.. hermosas sensaciones.. es un placer visitar vuestro blog... Un abrazo hasta alli.. Juan Jos�

RosanAzul disse...

Olá Chris! Lindo teu blog! Lindo teus versos! Adorei estar aqui!
Obrigada pelo carinho da visita e comentário! Volte sempre!
Beijo azul! RO

Norma Villares disse...

Tem selinhos pra você. Abraços

A Teoria do Kaos disse...

Olá,

Gostam de animais?

Então visitem o Grupo Animais em Portugal

http://groups.google.pt/group/animais_portugal?hl=pt-PT


Cumprimentos,

teresa disse...

gostei do texto ,,,
parabéns escreve muito bem .


obrigada pela visita beijinhos

RETIRO do ÉDEN disse...

....
descalça, encontro-te… tanto Azul… e és Tu.

TU...o Senhor esteja contigo, sempre.
Bjs.
Mer

Lídia Borges disse...

Lindo!
Retenho:

"descalça, ilumino a tua sombra, pois aos poucos as luzes apagam-se no silêncio da noite, como reféns na gruta deste Amor."

O seu "desçalça" parece-me uma queixa contra a imobilidade[?]

Um beijo

Maria Valadas disse...

Ao ler este poema " DESCALÇA"... senti o PODER das tuas palavras, entrelaçado com o teu sentir.

Senti-me " pequenina" ao ler-te!

Boa semana, minha querida poetisa.

Beijo.

Unseen Rajasthan disse...

Beautiful post and lovely words !! Thanks for sharing..Unseen Rajasthan

manuela baptista disse...

Entrei aqui descalça

não para imitar
mas para invejar

a escrita é uma metade de Adão
moldada em areia da praia

Muito bonito!

Um abraço

Manuela Baptista

AnaMar (pseudónimo) disse...

Descalça me curvei para apanhar este amor azul.
Descalça calcorreei todas as praias florestas e campos de jasmim.
Descalça me senti nesta poesia infinita bela onde me escondi.
Li e reli (parece um conto de fadas :-)
Bj

Alegria Joie Joy disse...

Para ti, que ama a escrita assim como eu.

Não chame o meu amor de Idolatria
Nem de Ídolo realce a quem eu amo,
Pois todo o meu cantar a um só se alia,
E de uma só maneira eu o proclamo.
É hoje e sempre o meu amor galante,
Inalterável, em grande excelência;
Por isso a minha rima é tão constante
A uma só coisa e exclui a diferença.
'Beleza, Bem, Verdade', eis o que exprimo;
'Beleza, Bem, Verdade', todo o acento;
E em tal mudança está tudo o que primo,
Em um, três temas, de amplo movimento.
'Beleza, Bem, Verdade' sós, outrora;
Num mesmo ser vivem juntos agora.

William Shakespeare

Beijo
Renata

M@ disse...

Amiga junta-te a nós.
Pela indignação.
Manuela

uminuto disse...

descalça...com a nudez perfeita
um beijo

O Árabe disse...

Descalços... todos deveríamos sentir-nos assim, um dia. :) Boa semana!

Ana disse...

Com os pés nus e a alma vestida de poesia!
Um beijo.

ADiniz disse...

Como arqueóloga
Vejo pictografias
Deixadas nas grutas
De dois enamorados
De um livro só,
De paginas amareladas
Dividido por uma rosa,
Seca pelo tempo
E o brilho que reluzia
Nos metais,
Se fez confundir
Era pedra Pirita.

Bjinhos Kokhmahá

Ailime disse...

Oh, Cris!
Que lindo poema em prosa!
Descalça estás em contacto com a mãe natureza que nos afaga de uma forma tão especial seja em que circunstância for!
Muito belo o que escreves!
Bem-hajas também pela visita ao meu cantinho e pelas palavras que me deixaste.
Um beijinho com muito carinho.

DE MÂOS DADAS disse...

Que lindo.
Simples,Sábio.
Gosto, obrigada

Nilson Barcelli disse...

Adoro os teus textos. Este é magnífico querida amiga.
Bom fim de semana.
Beijos.

© Piedade Araújo Sol disse...

re-passei.

um bom fim de semana!

um beij

RETIRO do ÉDEN disse...

Enfiei os sapatos e fui ao lançamento do novo livro do poeta JVCalado.

Aqui envio um cheirinho...


...
mormente a solidão mais íntima
a mais derradeira ardência extinta
entre as sombras da floresta
em palavras reprimidas ou jamais pronunciadas,
a imagem o perfil duma palmeira solitária
incansável na secura dum deserto.

in Viagem através da Luz de José Vieira Calado


Espero que goste e abra o apetite.

bjs.
Mer

sonho disse...

E descalça me deliciei nas tuas palavras...
Beijo de um anjo

Unseen Rajasthan disse...

Beautiful post and lovely words !!

gotadevidro disse...

A nossa vida é feita de pegadas, quando os pés desnudos trilham o rumo a seguir.

Muito belo teu texto

Gostei muito

Boa semana

bjitos

Chris disse...

Obrigado a todos pelos comentários, pelo carinho e por tudo o que as palavras não revelam...

Bjs
Chris