segunda-feira, 13 de julho de 2009

Saber-te



O caminho faz-se caminhando - dizem. Assim, prossigo com este espaço, que alguém tentou acabar, numa atitude infrutífera e sem rosto...

por vezes, penso como continuar a saber-te, na sapiência de estar viva, não pelo facto do coração bater, mas por sentir o que está para além dele.

há quem passe a vida a pesar os prós e os contras duma forma quase milimétrica... prefiro fluir sem matemáticas pensadas, sentir os olhares e os movimentos, aceitando assim, as ondas da vida como o areal da praia as recebe, sem cálculos na tangente da rebentação.

saber-te na confluência das águas do que ainda chamamos vida...

assim, interpretas-me na transparência dum amor que não aceitas, por medo, nó existencial que te sufoca, na profundidade da mente entregue a ela própria.

olhar o mar e saber-te perto, mesmo quando longe.

sei que não é fácil exercer a cedência que o amor pede...

dirás: “há répteis enleados no passado desta folha branca” – talvez, assim a memória guarda memórias que só emergem na submersão de águas pródigas.

saber-te na água que temes, pois ela apaga o fogo, assim sinto-me mediadora da água, verdadeiro elemento na cumplicidade deste momento.

por isso, sei-te… até mergulhares no azul profundo duma nova consciência.



Mediadora da Água


Cúmplice da água
num caminho que envolve e não domina,
ágil, tácito, na demora plena
segredo em dócil fluência.

Suspendem-se os nomes. E na sombra
adormecem as coisas. Um latido fulgurante
cria a imprevista ressonância
de um encontro.

As armas de uma aliança resguardam o silêncio.
A mão segreda e aproxima-se
de um pequeno país de música
A água desliza para dentro da sombra.



António Ramos Rosa, in “ Mediadoras” [1985]
poeta e ensaísta: nasceu em 1924, em Faro.



Foto: Barbara Cole - fotógrafa publicitária de Vancouver (Canadá).
A fotografia pode ser poesia, como a água rendilhada...


27 comentários:

João de Sousa Teixeira disse...

Pois continue a editar poesia ou outros textos com interesse; continue o seu blogue como tem feito, que faz muito bem.
O resto?
Olhe, citou o aforismo que virou canção: "caminante no ay camino...", digo-lhe outro, bem mais longínquo: "os cães ladram e a caravana passa" Concorda?
Respeitosamente
João Teixeira

Lídia Borges disse...

Lindo, lindo o poema!
De uma grande sensibilidade.

Em frente... É o caminho!

Um beijo

Pelos caminhos da vida. disse...

Tem selinho lá pra vc.

Bom dia.

beijooo.

Agulheta disse...

Olá amiguinha! As pessoas sem caracter,fazem assim escondem a cara,vamos deixar que o tempo faça história e continua a escrever as coisas lindas sempre.
Beijinho fica bem.

simplesmenteeu disse...

"Olhar o mar"...
ser, na rebentação das ondas, o movimento e o canto das marés.
renda de um tempo milenar!
linha recta, a anular a matemática para ser verbo e emoção. para ser o que outros não conseguem ser...

Este é o tempo e o lugar

Um beijo

Anónimo disse...

Chris,diz a sabedoria popular que: pode-se enganar alguns o tempo todo e a todos por algum tempo, mas não se pode enganar a todos o tempo todo.

Faça um esforço por ficar bem.

Coração Ateu

comme des habitudes disse...

olá. desculpa a invasao. achei lindo o poema, a sutileza das palavras me encantaram. meu nome é leandro. se tiver interesse ou quiser pode me seguir no meu blog. abraços

Chris disse...

João Teixeira: completamente de acordo, apesar de pensar que quem vai na caravana deve procurar entender o ladrar. Obrigado pelas suas palavras e volte sempre.

Lídia: é sempre um prazer a sua visita por aqui.

Pelos Caminhos da Vida: obrigado pelo selinho. bjs

Agulheta: o tempo nunca se engana, é uma grande verdade... Tudo a correr bem.

Simplesmenteeu: gostei do "canto das marés" - há palavras que ficam como sinais. bjs

Coração Ateu: concordo consigo e entendo bem o seu Coração... mas, sabe é a eterna questão da parte e do todo, da árvore e da floresta... palavras que usa tanto e tão bem. Sei que me entende e é uma honra conhecer as suas águas(do Mondego!), mas não se esqueça que todos os rios correm para o mar, não tente inverter a natureza...
Sei que vai ficar bem.

Leandro: prometo que vou ver o seu blogue, logo que possa.
Um abraço para si.

Chris

Anónimo disse...

Chris, não sou eu que inverto a natureza, aliás não sou dada a inversões. Quanto ao meu coração,duvido que o entenda, mas Ele sim. E pode ter a certeza que estamos a falar da mesma pessoas, também eu reconheço as mãos que coloca neste seu cantinho. O Coração e as Mãos Dele percorrem docemente o meu Mondego. E depois as àguas correm calmas e extasiadas até ao mar.

Procure ficar bem.

Batom e poesias disse...

"prefiro fluir sem matemáticas pensadas"
Que lindo texto. Adorei vir a tua casa e agradeço ter passado pela minha.
bjs
Rossana

Angel disse...

Olá..primeiro tenho que dizer que o blog é muito bonito e a musica que o acompanha também...depois gostei muito deste post não conhecia o poema e adorei...com tanta coisa boa...volto de certeza..=)uma tarde cheia de Sonhos...

Ana disse...

"saber-te perto ... mesmo quando longe" ... a força que o mar transmite.

Que continues o teu caminho. Sempre!
Um beijo.

Angellina disse...

Grata pela visita e suas palavras... também gostei muito do seu cantinho, tem muito para crescer ainda mais sim...
Adorei esse poema que tem "mar" e "azul"...
Volte sempre, que também voltarei com mais tempo.
Um abraço do Blue Angel

Alegria disse...

Passei uns dias sem internet, mas fiquei feliz ao ver que continuas a escrever e postar em teu blog, e espero sempre vir até aqui e ler lindos poemas.
Renata Vasconcellos de Farias
Brasil

R.Vinicius disse...

Oi.

Achei tão profundo o "saber-te perto, mesmo quando longe." É como "sentir o pousar da mão sob o peito que desconhece." A mesma finura entre o poema, e o poeta. Muito bonito. Abraço,

R.Vinicius

Laura disse...

Minha querida; nem de propósito a prosa parece escrita para mim, porque tenho sentires parecidos com ela...sentires e voltas que a vida me deu, iguais às que descreve aí...enfim, a caravana passa e vamos tentando ser felizes da melhor forma que pudermos...Amando...
Beijinhos meus e muita felicidade aguardando em seu coração..laura

Paulo Celso disse...

Belo, simplesmente belo!

O Profeta disse...

Ao meu querer!
Dias noites, estações esquecidas
Inventei sonhos para sonhar
Lavei mágoas, dores perdidas

Uma árvore toca as águas da lagoa
O nevoeiro faz desenhos nas cumeeiras
Um Melro negro solta um pio ao acaso
A palavra quero-te diz-se de mil maneiras


Convido-te a ver a Cor da Claridade


Doce beijo

Multiolhares disse...

A água tem um forte poder na vida, nada como aprender a caminhar sobre as aguas da vida
beijinhos

Sonia Schmorantz disse...

Parabéns, é um lindo post!
Bom final de semana
beijos

SILVANA PEDRINI disse...

Artigo novo no blog:

http://transtornobipolar2009.blogspot.com/

te espero lá!

PORQUE SAÚDE MENTAL, MERECE ATENÇÃO!

Marta Vasil disse...

Um texto para muitas reflexões, escolho o que neste momento mais se me apega: sentimento algum pode soibreviver à exactidão da matemática.

Uma excelente escolha a que fez deste poeta que gosto muito de ler.

Bom domingo

O Profeta disse...

Este mar de fresco azul
Estas pedras sentinelas constantes
Estas ondas que adormecem nelas
Vieram do mundo em formas navegantes

O amargo das uvas verdes
Cede ao sorriso do astro rei
O doce invade os sentidos
E a ternura impõe a sua lei


Boa semana


Mágico beijo

Clara disse...

A fotografia pode ser poesia, como a água rendilhada...


Sem dúvida!

Beijinhos e continuação de um bom trabalho!!!

Alegria disse...

Hoje passei em teu blog para ler e deixar um comentário inteligente, mas nada me veio, então para não perder a viagem que foi longa sai do Brasil para vê-la, te deixo votos de uma semana cheia de paz e de muitas realizações e claro poesias muitas.

Renata Vasconcellos Farias - Brasil.

R.L. disse...

obrigada :) António Ramos Rosa, simplesmente... ele.

Chris disse...

Obrigado a todos os que leram este "post", pelo carinho, pelas palavras, pelos entretantos, pela poesia e o seu encantamento...

Chris