sexta-feira, 5 de junho de 2009

Raiva... apêndice do Amor...



A poesia guarda os segredos bordados pelos Deuses na seda pura a que chamamos Amor, a vivência de muitas vidas, a forma como sei que gostas que escreva para ti, nos mistérios das terras por revelar, nos oceanos a resvalar para o infinito do nada eterno. Sentir a pele e os ossos desaparecerem, ficar só, a sós com a alma, sem nada, mais uma vez.

Nada… nada querer encontrar, simplesmente procurar-te, assim procurando-me, e entender que somos a eterna despedida adiada, estradas opostas no eco do silêncio, estranha colisão sem sentido aparente...

quando o amor e o carinho dão lugar à raiva incrédula, quando chamar por ti é encontrar-me…

e não querer encontrar-me, pois continuar a percorrer os estilhaços cortantes que guardaste para mim, tantas vidas sem moldar a vontade (até à vida da última prova, na delimitação da liberdade, como primeira prova, outra vez...) e assim, procurar-te, mesmo já te tendo encontrado.

No traço da impossibilidade incólume que a poesia propõe, aprendi que a “raiva é um apêndice do Amor” , como dizem as palavras perfeitas do poema “Nada mais Simples”, já publicado neste espaço.

Por vezes fico na dúvida, se és humano, qual o lugar incerto onde brota a fonte opaca e absurda da tua crueldade. Esta semana voltei a ferir-me por dentro, em locais onde o sangue ainda corre, deixei-me ser ferida mais uma vez…

Os poemas encaixotados numa secretaria administrativa dum tribunal, o que te escrevi do mais fundo de mim exposto da pior forma, a delapidação pública que fazes de mim, tornas-me estátua de pedra a sangrar, mas só tu sabes disso, e assim tudo é mais cruel, na possibilidade da devastação que não posso assumir... tu sabes...

As palavras seguintes, escrevi-as para ti, numa das muitas vezes que fugi de ti… ambos sabemos onde ancorou a folha de papel a arder…

...os outros são funcionários de postos atribuídos em concurso efectivo de selecção, desconhecem a nossa verdadeira identidade, a nossa verdadeira idade…

Persistes em lugares onde já não existo,
permaneço onde já não estás…

Assim, adiamos a nossa Eternidade…



*******************************************


Fazes parte de mim (*)

(*) publicado neste espaço, em 22 de Outubro de 2007



Fazes parte de mim
Neste tempo inóspito
Que circunda as vagas do espaço

Fazes parte de mim
Neste espaço emergente
Que liberta os enclaves do tempo

Fazes parte de mim
Em cada momento ausente
Em cada desejo encoberto

Fazes parte de mim
Porque pensar em ti
É reencontrar
O que falta em mim

Fazes parte de mim
Assim



Chris, Granada [Outubro, 2005]



Imagem 1: palavras escritas, raivas no amor escrito sem denúncias.
Saberemos ainda recomeçar?... ela, que já não sou eu...

Imagem 2: eu... nome de mulher.

22 comentários:

Baby disse...

Na tua alma vive uma amálgama de sentimentos que lutam entre si, num atropelo de vontades e renúncias, tu és como um campo de guerra, em que ainda não houve um vencedor.
Acredita que te compreendo sobremaneira e desejo que muito breve saibas encontrar a porta de saída e possas abraçar a paz de que tanto necessitas.

Um beijo amigo.

O Profeta disse...

Mil caminhos
Esta viagem sem velas nem vento
Este barco na bolina das ondas
Esta chuva miúda transborda sentimento

Amarras prendem o gesto
Arrocham um coração que bate incerto
Uma gaivota retoca as penas com espuma
Levanta voo em rumo concreto

Partilha comigo “100 Anos de Ilusão”


Mágico beijo

FERNANDA & POEMAS disse...

QUERIDA CHRIS, GRATA PELA TUA VISITA AO MEU ESPAÇO... FIQUEI MUITO FELIZ!!!
ADOREI A TUA POSTAGEM... SIMPLESMENTE SUBLIME... VOTOS DE UM BOM FIM DE SEMANA, APESAR DA CHUVA... FICA BEM!!!
ABRAÇOS DE CARINHO E TERNURA,
FERNANDINHA

Moonlight disse...

Passando para te agradecer a visita e conhecer-te um pouco nas maravilhosas palavras que acabei de ler.
Fomos um dia...não voltaremos aser igual novamente...

Um bj com luar

Xabonas disse...

"Os espelhos são usados para ver o rosto; a arte para ver a alma."
(George Bernard Shaw)


beijoooooooooo

Paulo Celso disse...

Tudo está belo

Aqui - Ali - Acolá disse...

Agradeço a visita a meu blog, volte sempre que será bem-vinda.

Gostei de passar por aqui, achei este espaço muito bom e muito belo.

Voltarei mais vezes.

Bjos e bom fim de semana.

WHITE ANGEL disse...

No momento certo deixo beijos e sorrisos :)

Sofia Reis disse...

Obrigada pelo teu simpático comentário. Também gostei de encontrar este novo espaço. Parabéns :)

Vieira Calado disse...

Enquanto vivemos,
a nossa eternidade vai sempre sendo adiada.

Bjs

Lídia Borges disse...

Um belo espaço, onde o passear traz a serenidade do tempo perfeito.

Obrigada!

Kagomi Yaruka disse...

oI!
To passando pra te convidar a ler o blog Codinome Folk.
conta a história de um garoto 'comum' que vai descobrindo sua verdadeira identidade: um espião.
confira todos domingos em Codinome Folk
http://www.codinomefolk.blogspot.com/

por mim e meu colega Guilherme Carvalho. vale a pena conferir ;)

disse...

A poesia expressa sentimentos diversos e profundidade. Desejo uma boa semana de Luz!!!

Aluizio Medeiros disse...

Depois do que li, passei um tempo refletindo e me vi obrigado a ler novamente, pois as palavras tinham cenas e um gosto meio incômodo de um quase chorar preso na garganta. Menina, não te conheço, não faço idéia em que nível a poesia se entrelaça a sua vida e nem tenho a sensibilidade de um poeta. Porém, mais uma vez, preciso dizer que foi um presente te ler.

Anónimo disse...

A Poesia é o espelho da Alma apaixonada.....
Mais uma vez, gostei de ler as suas belas palavras.
Descreve o Amor como ninguém!
É uma fonte de inspiração.

Sofro consigo.

Juno

rosa dourada/ondina azul disse...

A raiva, é de fugir dela.
O amor, é conciliador!


Beijinhos,

Anónimo disse...

Caí no seu blog por acaso e gostei talvez goste do meu www.chuva-azul.blogspot.com

Luis F disse...

Excelentes palavras... gostei de sentir o perfume do amor que brota deste teu poema.

Com amizade
Luis

Chris disse...

Depois duma ausência imprevista por motivos alheios à razão e presos à emoção desmesurada, por vezes maldita, aqui fica o meu obrigado a todos que o comentaram. Foram 18 comentários deste post, o record do meu "Momento Certo".
Mas o mais importante são as palavras, não os números.
O Amor e a Raiva são formas de sentir por vezes próximas, pois as energias contidas, sejam elas sagradas ou profanas, não devem ficar presas em silêncios lapidares e gélidos.

Em breve voltarei ao meu momento certo, com palavras...

Obrigado a todos.

Chris

daufen bach. disse...

OLá Chris,

aqui lendo-te, visitando teu espaço. Que poesia forte, densa. Lembrou-me as canções de Bethânia,
essa passionalidade velada e que ao mesmo tempo grita.
Parabéns a ti. Belissímo texto e belíssima poesia!

Quero, também, agradecer a visita que fizeste meu blog.

Um abraço terno a ti.

daufen bach.

Angela Guedes disse...

OI CHRIS!!!
Estou passando para deixar um abraço e conhecer teu blog.
Li sua postagem e adorei suas palavras.
Voltarei mais vezes.
Ângela

Chris disse...

Daufen (estranho nome!): que bom fazer-lhe lembrar a Bethânia... é para mim uma das três vozes do Universo... é uma honra ler o que escreveu, mas acredite que não mereço...

Ângela: regresse sempre... obrigado.

Chris