quinta-feira, 26 de fevereiro de 2009

Armistício de Adónis...




Nunca li nenhuma página do dicionário, mas não resisto em transcrever aqui o significado literal (prefiro as interpretações extensivas...) do substantivo ARMISTÍCIO: cessação das hostilidades por comum acordo dos beligerantes, por um prazo determinado. Esta palavra deriva do latim, de armistitiu, que quer dizer deposição das armas.

Há pessoas que passam a vida em guerras sem sentido, outros em guerrilhas mesquinhas, desperdiçando o tempo com procedimentos onde a cobardia ainda impera toscamente, como uma medusa inquinada. São opções de não vida, seguidas duma pré-vida.

Outros optam pela vida, pela liberdade reinante do coração, como uma Musa no mar iluminado, por vezes indignada pela pobreza de certos corações, numa navegação orientada (virar para Oriente…) para o entendimento que o verdadeiro Amor acende, como uma luz que jamais se apagará.
Alguns demoram tempo a perceber o sentido do pós-guerra, eu demorei muitas vidas, mas alguém continua a deambular na margem cortada do instinto, em processos criativos viciados e viciantes, por noites ébrias empoladas de vazios, longe da criação ao sabor da lucidez reencontrada.

A chave da casa IX , a mesma onde continua guardado o segredo do cavaleiro branco, da capela celta do Norte, das cartas que recebeu do leste europeu, e tudo o mais que ainda está por revelar... a eterna casa da Mãe...

A casa IX é regida pelo último fogo (Sagitário), o que intensifica os planetas que vibram nesse fogo purificador, mais denso e enigmático: Neptuno a 23 graus de Balança e Saturno a 3 graus de Escorpião, estando este último quase no Meio do Céu.
Quando me deparei com esta tipologia, pensei ser mais uma coincidência, mas hoje sei (das poucas coisas que sei...) que elas não existem. Encontrei este paradigma sem nunca o ter procurado, foi "Ele" que me procurou há muito tempo, o tempo que o segue na estranha luz da noite. O tempo personificou Saturno que se encontra no inicio de Escorpião (a 3 graus…) enfatizado por estar a entrar no MC (meio do céu).

O tempo invertido ficou guardado no espaço de 10 graus que separa Neptuno de Saturno, na velha Casa IX.

A chave para abrir essa porta da Casa IX
ficou esquecida no Tempo
(era quase uma hora da madrugada, quando me telefonou a perguntar por Saturno...)

até…

o “Momento Certo”…


********************************************


O que foi, sem limites, inocência impossível
Da beleza imolada à cinza irreversível,

O que ténue passou com asas de mistério
Brisa acariciando a face do Eterno,

O que foi por seus tenros sorrisos vegetais
De Afrodite o amado entre sempre e jamais,

O que mimosamente Adónis foi pela graça
Da formosura ser formosa porque passa,

Em verdores que de amores breves lhe foram dados
Seus beijos de água jovem abrolharam em nardos.

Urdidas pelo fado fungível do mancebo,
Precoces caem as folhas e as flores morrem cedo;

E do nosso destino corroboram os desígnios,
Seus volúveis jardins suspensos sobre abismos.


Natália Correia, in "O Armistício - Os Jardins de Adónis" [1985]



Imagem 1: Adónis (museu do Louvre)
despertou a amor de Perséfone e Afrodite...

Imagem 2: Casa IX (Neptuno e Saturno)

Imagem 3: Casa IX (Balança e Escorpião)

Sem comentários: