quarta-feira, 10 de setembro de 2008

(Pre)monição, de nós.



Estátuas de Coral

Não queria partir sem te abraçar pela última vez.
E disseste-me como escutar o ruído no âmago do silêncio, e
ver a luz no meio da escuridão, mas não disseste que um dia
partirias e permaneceste absorto na tua morte.

Falei-te, mas era como se não ouvisses, mas de repente
enviaste uma lança de Luz e fogo que trespassou o meu ser,
e ainda sinto o sangue que brotou então de minhas entranhas.

E zanguei-me contigo por não seres aquilo que eu
procurava, e por eu não ser aquilo que desejavas encontrar.

Mas a vida era mesmo assim e o fio de prata de Ariadne
tinha-nos unido para todo o sempre.

Com o meu corpo ensanguentado, e as mãos lavadas de
orvalho, e ainda a tremer, percorri o labirinto do tempo,
procurando-te sem cessar. Envolvi-me em mil deleites só pela
ilusão de te ter. Submergi na antiga cidade submersa pelo
tempo de um azul profundo e cintilante, e
encontrei as ruínas de nós dois. Estátuas de pedra e sal
banhadas pelo coral que resplandecia na luz matutina.
E ali estávamos. Como sempre estivemos.
Olhar em olhar.
Visão de profundezas imersas na água azul escura.
E desfiz o encanto, e abracei o teu corpo,
dando-te vida e trazendo-te, mais uma vez,
para junto de mim, confundindo o tempo.



Joma Sipe, in "Afoguei-me em Ti" [2005]


Imagem 1: Joma Sipe: "Crystal 1-Silêncio"
Painel em caneta de prata, ouro e cristais sobre tela acrílica preta [2007]

Imagem 2: Joma Sipe: "O Retorno à Inocência"
Painel em caneta de prata, ouro e cristais sobre tela acrílica preta [2007]

******************************************

O tempo da monitória está perto do fim.
O tempo da nossa paz quente aproxima-se.
O tempo de nós... "quit don't say you love me"
(gostei do arranjo).

1 comentário:

Anónimo disse...

Não te esqueças do nosso projecto, o lado estético só pode ser teu.
Bjs
Gaby