terça-feira, 29 de julho de 2008

Quem jamais te esqueceria?




Finalmente, consegui ver o Caetano ao vivo, a dois passos de casa. Foi uma noite mágica, com o jardim do Marquês quase cheio, junto à antiga residência do dito “Conde”, com o traçado e os recortes deslumbrantes de Carlos Mardel, entoando os sons e as formas dos mais belos jardins românticos de Sintra… e Versailles.

Só uma voz e uma viola... A simplicidade é sempre perfeita, pois nela está embutida a verdade da eterna procura. O silêncio impôs-se como uma estranha melodia, só interrompido pela passagem dum avião e pelo coaxar das rãs da ribeira da Lage.

Momentos únicos (por isso, certos…) foram as interpretações de “Menino do Rio”, “Terra” e a minha preferida: “Sozinho”. A voz no tom certo irradiou na noite estrelada, a tentativa de falsete, fora do tom destoou. Faltou o “Leãozinho”...

… mas ele estava longe… e sozinho…

A noite distante, prosseguiu com conversa cheia de palavras e chá de menta...

… e eu à procura dele, que estava longe…

mas perto…

"Dont’t say you love me, that’s what she said", do Young (sonhei que já a sabias tocar no tom certo…)


Por mais distante o errante navegante
quem jamais te esqueceria?


**********************************************************

Sozinho

Às vezes no silêncio da noite
Eu fico imaginando nós dois
Eu fico ali sonhando acordado
Juntando o antes, o agora e o depois

Por que você me deixa tão solto?
Por que você não cola em mim?
Tô me sentindo muito sozinho

Não sou nem quero ser o seu dono
É que um carinho às vezes cai bem
Eu tenho os meus segredos e planos secretos
Só abro pra você mais ninguém

Por que você me esquece e some?
E se eu me interessar por alguém?
E se ela de repente me ganha?

Quando a gente gosta
É claro que a gente cuida
Fala que me ama
Só que é da boca pra fora

Ou você me engana
Ou não está madura
Onde está você agora?


(Foto 1: Nuno Moreira)

2 comentários:

Anónimo disse...

Onde está você agora?
Bj
Nuno

Anónimo disse...

Parabéns pelo teu blogue. Adorei a exposição. Espero ver-te este mês em Sagres, como nos velhos tempos.
Tudo a correr bem.
Ana Paula