sábado, 10 de maio de 2008

Ainda e Sempre




chorei lágrimas
para que não precisasses de chorar
amordacei a minha boca
para que não precisasses de gritar
ceguei meus olhos
para que não precisasses de ver
e quanto mais amordaçado
mais tu gritavas
e quanto mais cego
mais tu vias
e quanto maior é a dor
maior é o canto que te quero cantar


António Sem, in “Rostos do Tempo” [1984]

Pintura em acrílico s/ tela, de António Sem:
- Imagem 1: A Montanha Sagrada [2002]
- Imagem 2: Transposição [2002]


Próxima exposição patente ao público de 20 de Maio até 1 de Junho de 2008
Secção Regional Ordem dos Médicos do Sul:
Av. Almirante Gago Coutinho, 151 - Lisboa
De 2ª a Sábado, das 10 às 22 horas

2 comentários:

Anónimo disse...

Gracias pelo convite! Para quando a exposição dos teus quadros?
Bjs
Andre

Anónimo disse...

Não pensei nisso. Deixo a vida correr e desaguar como a água imensa que me cerca e liberta.
Obrigado
Chris